Secretaria da Cultura

Programação


Nova fotografia | Passagens da inocência

Na exposição Passagens da inocência, a fotógrafa Giullia Paulinelli apresenta figuras humanas nuas, sem definir símbolos que imponham uma ideia ou pensamento, com uma nudez que não se liga a questões de pudor ou moralidade. O observador é confrontado com indícios, nada mais, com um olhar não revelado, indeterminado pelas personagens que dão as costas aos observadores. 

O conceito da exposição surgiu a partir de um incômodo da fotógrafa com a banalização do corpo, da nudez. “Um assunto ainda muito presente e mal resolvido”, diz a artista. “Procuro tirar a segunda pele de pessoas comuns para mostrar um nu inocente, que sim, acredito deva ser mostrado, mas sem exageros, apenas como algo natural. Sem despertar a curiosidade no observador em relação ao nu em si, mas antes no conjunto de mistérios que compõem as cenas”, explica a fotógrafa.

A série é composta por 12 imagens que foram feitas em diversos lugares do Brasil. Entre estes locais está uma estação ferroviária em Morretes (PR), um porto no Paraná, uma Caverna em Altinópolis (SP) e uma praia em Angra dos Reis (RJ). “Tive que me deslocar e enfrentar riscos e dificuldades que estavam presentes nas locações. A pressa e os cuidados exigidos por esses lugares marcaram todo o processo”, relata. A artista utiliza o ambiente digital e se propõe a um meticuloso trabalho de pré e pós-produção para criar composições que unem o real e o fantástico. 

Giullia Paulinelli é paulistana e fotografa há oito anos. Fez cursos de Fotografia na Faculdade Panamericana de Artes e na Universidade Anhembi Morumbi, além de cursos experimentais em Nova Iorque (EUA) e Taipei (China). Participou das exposições coletivas VesTinta para Casar e Fugacidade, ambas realizadas na cidade de São Paulo em 2015. 

NOVA FOTOGRAFIA
Passagens da inocência é a segunda série apresentada pelo Nova Fotografia 2017. Criado em 2011, o Novo Fotografia é um projeto anual do Museu da Imagem e do Som que busca criar um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho. A cada ano, seis séries de imagens são escolhidas por meio de convocatória e expostas no Museu.

MAIO FOTOGRAFIA NO MIS 2017
Anualmente, o MIS dedica um espaço na agenda de programação para mostras exclusivamente de fotografias com obras de artistas nacionais e internacionais. Este ano serão apresentadas sete exposições. Além desta, integram o especial: 

Revista Camera – A fotografia dos séculos XIX e XX traz uma seleção de imagens da coleção que Allan Porter foi construindo durante os anos em que esteve à frente da cultuada revista de fotografia Camera (1966-1981).

Farida, um Conto Sírio apresenta o trabalho inédito do brasileiro Mauricio Lima, que acompanhou durante seis meses o fluxo migratório de refugiados do Oriente Médio à Europa, ensaio que tornou-o o único brasileiro a receber o Prêmio Pulitzer (2016).

mObgraphia Cultura Visual integra a programação do Maio Fotografia no MIS e traz três exposições: Avessos e paradigmas, com obras dos veteranos German Lorca, Maureen Bisilliat, Nair Benedicto e Penna Prearo fotografando pela primeira vez com celular; o coletivo internacional Hikari Creative, formado por premiados fotógrafos internacionais, mostra suas produções com smartphones com a exposição A arte da observação urbana e o Festival Latino-Americano de Mobgrafias (FLAMOB) apresenta as fotografias premiadas em diversas categorias.

Completa a programação uma curadoria especial com acervo do próprio museu, intitulada Caçador e construtor, que tem entre seus destaques obras de Cristiano Mascaro, Arnaldo Pappalardo, Fernando Natalici e Gal Oppido.

Siga o MIS nas redes sociais

Museu da Imagem e do Som

Av. Europa, 158, Jd. Europa

São Paulo - SP, Brasil

CEP 01449-000

11 2117 4777

Realização