Museu da Imagem e do Som


O Museu da Imagem e do Som de São Paulo, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, foi inaugurado em 1970. Sua coleção possui mais de 200 mil itens, como fotografias, filmes, vídeos e cartazes. Hoje é um dos mais movimentados centros culturais da cidade de São Paulo.
Além de grandes exposições nacionais e internacionais, oferece grande variedade de programas culturais, com eventos em todas as áreas e para todos os públicos: cinema, dança, música, vídeo e fotografia estão presentes na vida diária do Museu.

Programação

Na programação fixa, destacam-se o Cinematographo, que conta com projeção de filmes mudos sonorizados ao vivo; o Dança no MIS, que traz ao Museu apresentações site-specific de dança contemporânea; o Estéreo MIS, espaço dedicado a fortalecer e estimular a atuação da música independente nacional; o Cine MIS, espaço permanente de lançamentos de curtas inéditos; e o Notas Contemporâneas, que coleta registros orais de artistas da música erudita e contemporânea com apresentação aberta ao público. Outro programa de destaque é a Maratona Infantil, que traz uma programação gratuita voltada para as crianças e suas famílias.

Anualmente, o Nova Fotografia cria um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação de seu trabalho. O MIS também oferece cursos em diversas áreas, além de visitas mediadas e diversos projetos encabeçados pelo Núcleo Educativo.
O projeto Pontos MIS apoia a criação de espaços alternativos de exibição de filmes em cidades do Estado de São Paulo para promover o acesso ao cinema e a formação de público, além de oferecer diversas oficinas na área audiovisual.

Grandes exposições

Nos últimos anos, o MIS se destacou ao trazer grandes exposições vindas de alguns dos principais centros culturais internacionais, além de idealizar exposições de grande sucesso.
•    2011 – Game On
•    2013 – Ai Weiwei: Interlacing
•    2013 – Stanley Kubrick
•    2014 – David Bowie
•    2014 – Castelo Rá-Tim-Bum – A exposição
•    2015 – Jessica Lange: fotógrafa
•    2015 – Truffaut: um cineasta apaixonado
•    2015 – À meia-noite levarei sua alma
•    2016 – O mundo de Tim Burton
•    2016 – Frida Kahlo – Suas fotos
•    2016 – Silvio Santos vem aí!
•    2017 – Steve Jobs, o visionário
•    2017 – Renato Russo

A trajetória do MIS

O Museu da Imagem e do Som foi criado em 29 de maio de 1970, já vinculado à Secretaria de Estado da Cultura. Na época, a ideia era construir um museu que preservasse e produzisse a imagem e o som, conceito este que tomou forma após a inauguração do MIS do Rio de Janeiro, concebido pelo jornalista Carlos Lacerda, em 1961. Contaminado pelo ideal fluminense, o então governador de São Paulo, Abreu Sodré, incumbiu o jornalista Luiz Ernesto Kawall de organizar o similar paulista. Com uma comissão formada por destacados profissionais do cinema e do jornalismo – do qual constavam personalidades como o crítico Paulo Emílio Salles Gomes e o professor da USP Rudá de Andrade – a iniciativa foi posta em marcha. 

Antes de se instalar no atual endereço da Avenida Europa, o MIS percorreu regiões como Campos Elíseos, Avenida Paulista e Itaim. Porém, para garantir a estabilidade do espaço físico do MIS, o Estado encontrou o imóvel residencial pertencente desde os anos 1960 ao industrial Affonso Giaffone, construído para moradia dele e sua família. O edifício tinha a face da Avenida Europa murada e cercada por um imenso jardim, onde fica atualmente o estacionamento do MIS. Assim, numa Avenida Europa que ainda não abrigava estabelecimentos comerciais, foram iniciadas reformas de adequação técnica.

Em 27 de fevereiro de 1975, com a exposição Memória paulistana, o Museu da Imagem e do Som finalmente abriu suas portas para o público em sua sede permanente em São Paulo. Organizada por Rudá de Andrade, diretor técnico do MIS entre os anos de 1970 e 1981, a mostra representou um importante resgate histórico-cultural da memória da capital paulista por meio de fotografias da cidade, além de retratos de personalidades e anônimos, tendo também como resultado a edição de um catálogo. As fotografias denotavam, ainda, a vocação do MIS para a exposição de mídias ainda não totalmente consagradas pelas instituições museológicas tradicionais. 

Na introdução do catálogo de Memórias Paulistanas, estavam delineados os objetivos iniciais e o perfil do MIS paulistano: “adotar as tendências museológicas mais avançadas para conseguir o caráter de museu moderno e ter como matéria a comunicação de massa, apoiada em recursos de imagens e de sons, para, assim, ser um museu vivo”. Além disso, manter-se como um importante núcleo sobre comunicação cultural em um meio eficaz de difusão artística e educativa que atinja amplas camadas populares por meio da amplitude de sua programação também era um objetivo do projeto.

Ao longo de suas mais de quatro décadas de atuação, o MIS desenvolveu sua programação e constituiu seu acervo partindo dessas premissas. São marcantes os registros fonográficos existentes no acervo, que também servem como exemplo da vocação do MIS em fugir dos cânones tradicionais da historiografia.  

Tradição e ruptura sempre fizeram parte da trajetória e da atitude do Museu da Imagem e do Som. Assim, a extensa programação que o MIS sediou – e continua sediando – marcam-no como um importante espaço de fomento da linguagem audiovisual e da arte nas suas diferentes formas e técnicas, tanto no aspecto da produção, quanto no da exibição.

Dessa forma, muitos fatos culturais fixaram o MIS com nitidez junto ao público, artistas, críticos e produtores culturais, como um espaço atento à exibição, questionamento e debate do que existe de relevante na área. O MIS – e seu acervo é prova disso – soube oferecer visibilidade e audiência às boas obras de artes plásticas, cinema, vídeo, fotografia e música, sem deixar de atender à documentação e conservação de importantes legados artísticos de imagem e som.

Entre os anos de 1990 e 2008, enquanto assistíamos à emergência das novas mídias tecnológicas e à expansão da arte para práticas híbridas, tornou-se necessário reinventar o MIS, sem perder de vista o seu patrimônio já constituído. Seguindo o desenvolvimento da arte contemporânea e preocupado com uma visão crítica sobre essa nova produção, o Museu da Imagem e do Som lançou-se no desafio de adequar seu conceito institucional e sua estrutura física, sempre buscando integrar memória e contemporaneidade. 

O MIS reabriu em agosto de 2008 inteiramente renovado para ser um museu público pronto para dialogar com a arte do século 21, sem deixar de lado a rica história acumulada desde os anos 1970. Suas instalações foram reformadas e renovadas, numa ação que possibilitou a adequação do edifício aos seus diversos eixos de atuação, mas sem se esquecer da importância de manter sua identidade como espaço cultural que fez história na cidade de São Paulo.

O Museu mantém uma constante readequação de seus espaços e o incremento de sua programação em busca de aumentar o acesso aos bens culturais em sua pluralidade e de criar novos olhares e releituras não apenas para as obras de arte, mas também para o papel do museu na sociedade. Caminha em consonância com as novas linguagens da arte contemporânea e direciona suas ações para criar um ambiente cultural efervescente com olhar para a memória e para o novo que surge a cada dia, além de ultrapassar as barreiras de seu espaço físico para levar arte para todo o Estado de São Paulo.