handstalk, o conteúdo é acessivel com Vlibras!
Cidadão SP
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp

Em maio, o MIS inaugura a segunda mostra do programa Nova Fotografia 2019, que selecionou seis trabalhos inéditos para exposição ao longo do ano: Limbus, do fotógrafo Gustavo Gusmão. Com entrada gratuita, a mostra abre no dia 21 de maio, às 19h, e segue em cartaz até o dia 30 de junho, no Espaço Nicho do Museu.

“Limbo é um substantivo masculino com origem no latim limbus e que significa margem, beira, borda, orla. Com base na origem da palavra, o significado figurado de limbo remete ao estado daquilo que é negligenciado, esquecido”.

Os cemitérios de Manila (capital das Filipinas) são grandes comunidades a margem da sociedade. Com sua própria estrutura e funcionamento, ele comporta pequenas moradias, mercadinhos, botecos e muitos barracos, em situação que beira extrema pobreza. Apelidados de Skeletons, Zombies ou Cemitery People, acredita-se que 6 mil pessoas morem em cemitérios na cidade, sendo que aproximadamente 2 mil  moram no maior deles, o “North Manila Cemetery” com seus 54 hectares de espaço.

Durante dois anos o fotógrafo Gustavo Gusmão fotografou esse lugar entre a vida e a morte. “Limbus é muito mais que a margem da sociedade, a orla dos esquecidos, o descaso, o abandono sobre uma certa parcela da população durante décadas de existência. Limbus é a destruição dos valores morais de um país, de uma religião, uma luta diária de uma superpopulação sobre o espaço físico dividido entre os vivos e os mortos”, explica o fotógrafo. “São gerações de famílias nascidas e criadas em um cemitério, dependendo economicamente até da morte como forma de subsistência. Trata-se de um projeto que visa mostrar ao mundo como sobrevivem essas pessoas, que são praticamente invisíveis para a sociedade”, completa.

Sobre o fotógrafo
Gustavo Gusmão (São Paulo, SP) é fotógrafo, tendo realizado mestrado em cinema documental pela Universidade Autônoma de Barcelona. Busca na fotografia uma maneira de contar a relação entre as pessoas e os lugares que habitam, de forma a documentar realidades distintas e esquecidas ao redor do mundo. Realiza projetos longos com o intuito de registrar e entender a fotografia como forma de aprofundamento sobre a história daquele lugar.

Sobre o Nova Fotografia
Criado em 2011, o Nova Fotografia é um projeto anual do Museu da Imagem e do Som que busca criar um espaço permanente para exposição de fotografias de artistas promissores que se distinguem pela qualidade e inovação do seu trabalho. A cada ano, seis séries de imagens são escolhidas por meio de convocatória e expostas no Museu. A edição de 2019 conta com o acompanhamento curatorial de Mônica Maia, sócia diretora da DOC Galeria e do pesquisador, professor e crítico de fotografia Ronaldo Entler.