handstalk, o conteúdo é acessivel com Vlibras!
Cidadão SP
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp

A cada edição o Ciclo de Cinema e Psicanálise traz debate sobre um filme mediado por Luciana Saddi, coordenadora de Cinema e Psicanálise da Diretoria de Cultura e Comunidade da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (SBPSP). Em seguida, o público pode participar com perguntas, integrando novas perspectivas sobre a obra discutida. Na temporada #MISemCASA, as edições são quinzenais, e o público pode assistir ao filme antecipadamente em plataformas de streaming. 

Nesta edição, a psicanalista Marina Kon Bilenky e o réporter Fábio Zanini, mediados por Luciana Saddi, debatem o filme “Adú” (dir. Salvador Calvo, Espanha, 2020, 119 min, 12 anos, disponível na Netflix). Nele, a selvageria exposta por Salvador Calvo tem como contraponto a ternura das relações familiares. O filme desperta no espectador sentimentos de proteção e cuidado, tão raros quanto necessários à continuidade da civilização. Já não basta dizer que é preciso o amor triunfar para que o mundo não acabe, como pensava Freud. É imprescindível sentir.  

Assista no canal do MIS no YouTube.

* com interpretação em Libras 

Sobre os debatedores:  

Marina Kon Bilenky é psicanalista, membro efetivo da SBPSP. É editora da publicação eletrônica “Internacional Psychoanalysis Today” e diretora de publicações e divulgação da FEBRAPSI. É autora do livro “Vergonha”, da série “O que fazer?” (Editora Blucher). 

Fábio Zanini é repórter especial e autor do blog Saída pela Direita. Foi editor de Poder e de Mundo, repórter de política em SP e Brasília, correspondente em Londres e Johannesburgo. 

Sobre a mediadora: 

Luciana Saddi é psicanalista e escritora. É membro efetivo e docente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, mestre em Psicologia pela PUCSP e diretora de Cultura e Comunidade da SBPSP (2017/2020). É autora de “Educação para a morte” (Ed. Patuá), coautora dos livros “Alcoolismo – série o que fazer?” (Ed. Blucher) e “Maconha: os diversos aspectos, da história ao uso”. É fundadora do Grupo Corpo e Cultura e coordenadora do programa de cinema e psicanálise da diretoria de cultura e comunidade da SBPSP em parceria com o MIS e a Folha de S.Paulo. 

Sobre o filme:  

“Adú” 

(dir. Salvador Calvo, Espanha, 2020, 119 min, 12 anos, disponível no Netflix) 

Na cidade autônoma de Melilla no norte da África, que pertence à Espanha, Mateo, um guarda civil, tem que proteger a cerca de arame farpado que divide a cidade do resto da África, proibindo a entrada de imigrantes. Na reserva de Mbouma no Senegal, o consultor externo Gonzalo luta para evitar que elefantes sejam assassinados por caçadores ilegais, mas falha em seu trabalho. Com isso, Alika e seu irmão mais novo Adú são forçados a fugir da pequena cidade de Mbouma por terem testemunhado acidentalmente o assassinato. 

SOBRE O #MISEMCASA
A campanha #MISemCASA traz conteúdos em diferentes formatos em todas as plataformas digitais do MIS. A ação acontece em conjunto com o #Culturaemcasa, desenvolvido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa, por conta da orientação do Centro de Contingência do Covid-19 – que determinou que os equipamentos culturais do Governo do Estado de São Paulo tenham seu funcionamento suspenso temporariamente. Conheça a ação #culturaemcasa: cultura.sp.gov.br/culturaemcasa/.

O MIS agradece aos patrocinadores e apoiadores da programação, que também apoiam a iniciativa digital #MISemCASA: Kapitalo Investimentos (patrocínio), Cielo (patrocínio), Vivo (patrocínio), TozziniFreire Advogados (apoio institucional), Bain & Company (apoio institucional) e Telhanorte (apoio operacional).

Galeria de Fotos

Assista #misemcasa