handstalk, o conteúdo é acessivel com Vlibras!
Cidadão SP
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp

A campanha #MISemCASA apresenta o Cinema de Acervo, uma seleção de filmes brasileiros digitalizados a partir de material físico tais como 16mm, 35mm ou Super 8, disponíveis no Acervo MIS.

No mês de julho, a programação traz um recorte de filmes que apresentam discussões e temáticas sobre sociedade, arte e política. São produções documentais e ficcionais que recortam contextos diferentes do Brasil. Filmes que apresentam desde a tentativa de criação de uma indústria cinematográfica brasileira como em A Cia Cinematográfica Vera Cruz de João Batista de Andrade, até a vida do crítico, ensaísta e historiador da arte no filme O cão louco de Mário Pedrosa, dirigido por Roberto Moreira.

Produções que analisam o cinema como arte e espaço de debates e também como expressão política com um olhar sobre o mundo.

A arte como política

110 minutos

Desde tempo remotos a arte, em qualquer de suas linguagens, utiliza seu poder de expressão para questionar as deficiências da sociedade e aguçar o senso crítico da população: é isso que enfatizamos na mostra A arte como política. O cineasta Denoy de Oliveira intercala ficção e documentário com o intuito de questionar os empecilhos que o cinema brasileiro enfrenta para se tornar uma indústria, e a falta de valorização da arte nacional por parte dos brasileiros. O cão louco de Mário Pedrosa, com sua narrativa ousada, reflete sobre a outra face do ensaísta Mário Pedrosa, o seu lado de ativista político.

Sobre os filmes

Que filme tu vai fazer? (Dir. Denoy de Oliveira, Brasil, 1991, 45 min, livre) 

Documentário ficcional onde o público e cineastas depõem sobre o cinema brasileiro. Participam, entre outros, Luis Alberto Pereira (Gal), Walter Rogério, Carlos Reichenbach, Nelson Pereira dos Santos, João Batista de Andrade e Chico Botelho.

O cão louco de Mário Pedrosa (Dir. Roberto Moreira, Brasil, 1993, 25 min, livre) 

A face mais política do crítico, ensaísta e historiador de arte Mário Pedrosa (1900-1981). Sua trajetória, desde 1926, quando entra no Partido Comunista do Brasil, até sua ruptura com Trótski, em 1941. Nesses 20 anos, Pedrosa acompanhou passo a passo as vitórias, dilemas e tragédias do movimento revolucionário internacional.

Confira os filmes.

SOBRE O #MISEMCASA

A campanha #MISemCASA traz conteúdos em diferentes formatos em todas as plataformas digitais do MIS. A ação acontece em conjunto com o #Culturaemcasa, desenvolvido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa, por conta da orientação do Centro de Contingência do Covid-19 – que determinou que os equipamentos culturais do Governo do Estado de São Paulo tenham seu funcionamento suspenso temporariamente. Conheça a ação #culturaemcasa: cultura.sp.gov.br/culturaemcasa/.

O MIS agradece aos patrocinadores e apoiadores da programação 2020, que também apoiam a iniciativa digital #MISemCASA: Youse (patrocínio máster), DENSO Brasil (patrocínio), Kapitalo Investimentos (patrocínio), Cielo (patrocínio), e TozziniFreire Advogados (apoio institucional).

Galeria de Fotos

Apoie o MIS ;)